Home

Vejam Qual É A Política Esportiva Do Comitê Olímpico Do Brasil Para Chegar Aos Top 10 Em 2.016. Matéria de Rodrigo Antonelli, No Correiro Braziliense.

outubro 20, 2014

OLIMPÍADA RIO-2016

Confederações apostam em naturalização de atletas para melhor desempenho no Rio-2016

Seleções de pelo menos seis modalidades tentam dupla nacionalidade de atletas.

postado em 20/10/2014 11:46

Rodrigo Antonelli / Correio Braziliense

O sonho brasileiro de subir ao pódio ao menos 27 vezes e chegar ao top 10 do quadro de medalhas na Olimpíada do Rio-2016 é ousado e exige estratégias em diversas frentes simultaneamente. Uma delas é a naturalização de atletas. Confederações de pelo menos seis modalidades pouco tradicionais no país lutam para melhorar suas equipes com reforços estrangeiros, em movimento parecido com o realizado pelo Reino Unido nos Jogos de 2012. Os resultados já começam a aparecer. No último fim de semana, a seleção brasileira de polo aquático conquistou o ouro no campeonato sul-americano e desbancou a bicampeã Argentina com grandes atuações dos naturalizados Paulo Salemi e Felipe Perrone. Salemi é italiano, enquanto Perrone nasceu no Brasil, mas ainda na adolescência rumou para a Europa, onde se tornou um dos melhores jogadores do mundo na modalidade e defendeu a seleção da Espanha. Em Londres-2012, foi o melhor jogador da Fúria, que terminou em 5º lugar. Para chegar ainda mais forte à Olimpíada do Rio, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) ainda tenta a naturalização de cinco atletas, entre eles o croata Josip Vrilic e o sérvio Slobodan Soro, ambos bronze olímpico por seus países e que atualmente jogam na Liga Brasileira de polo aquático. “O Brasil ainda não forma muitos jogadores. Quem é grande e forte prefere jogar vôlei ou basquete por aqui. Então, temos que trazer de fora. É o início de um movimento para desenvolver o polo aqui no país e atrair mais gente”, explica Ricardo Cabral, superintendente de polo aquático da CBDA. “Os gringos que vêm já têm alguma identificação com o Brasil e, com certeza, vão deixar um legado positivo para a gente. Daqui a alguns anos, quem sabe, não precisaremos mais importar”, completa. A estratégia da naturalização ainda é pequena no Brasil mas o crescimento é significativo. Em Pequim-2008, o Brasil não levou nenhum naturalizado e, em Londres-2012, foram dois: o americano Larry Taylor, no basquete, e a chinesa Gui Lin, no tênis de mesa. Em 2016, o número deve superar 10, com prováveis importações também no rúgbi, no hóquei de grama, na luta olímpica, na canoagem e na esgrima, além do polo aquático. Seis atletas Só na equipe feminina de hóquei na grama são seis atletas com dupla nacionalidade, como a goleira Inge Vermeulen, nascida no Brasil, mas criada na Holanda, onde foi campeã europeia de hóquei na grama vestindo laranja. “Vi matérias sobre o projeto da Confederação em jornais da Holanda e decidi arriscar. Já tinha vindo ao Brasil passar férias algumas vezes e tenho amigos aqui”, disse a atleta, em um português com muito sotaque e, vez ou outra, usando palavras em inglês para se fazer entender. Mas nem todos os atletas que aceitam defender o Brasil são grandes nomes de suas modalidades. No ano passado, a Confederação Brasileira de Rúgbi (CBRu) colocou anúncios em sites especializados, espécies de classificados, procurando jogadores. O objetivo era atrair jogadores com experiência internacional, mas sem chances na seleção de seu país, para disputar a Olimpíada pelo Brasil. A única exigência era que os interessados tivessem pais brasileiros ou já possuíssem a dupla nacionalidade, para acelerar o processo de aceitação. De acordo com a CBRu, a estratégia deu certo e logo um inglês filho de brasileira e uma francesa radicada no Brasil entraram para a equipe. O Comitê Olímpico do Brasil (COB) não vê problemas na naturalização de atletas, desde que sejam feitas de acordo com as leis dos países. Segundo a entidade, as confederações têm autonomia para tomar decisões desse tipo e cabe ao COB apenas apoiá-las.

 

Anúncios

One Response to “Vejam Qual É A Política Esportiva Do Comitê Olímpico Do Brasil Para Chegar Aos Top 10 Em 2.016. Matéria de Rodrigo Antonelli, No Correiro Braziliense.”


  1. Republicou isso em Eu Vivo a Melhor Idadee comentado:
    Aqui no Brasil é tudo diferente!As pessoas não têm a chance quando crianças de se prepararem para serem atletas pois o Governo não investe o necessário.Agora , para 2016 , deveremos NATURALIZAR estrangeiros para ocuparem postos que deveriam ser só dos brasileiros!

    Curtir


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: