Home

http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=161&data=30/04/2010

Tribunal de Contas da União

Nº 81, sexta-feira, 30 de abril de 2010

1ª CÂMARA

EXTRATO DA PAUTA Nº 14/2010 (ORDINÁRIA PÚBLICA)

Sessão em 4 de maio de 2010, às 15h Resumo dos processos incluídos em pauta, para apreciação e julgamento pela 1ª Câmara, na Sessão Ordinária Pública, em relação ou de forma unitária, nos termos dos artigos 17, 134, 135, 137, 141, §§ 1º ao 5º, e 143 do Regimento Interno, aprovado pela Resolução nº 155/2002, com alterações promovidas pela Resolução nº 195/2006.

– Relator, Ministro WALTON ALENCAR RODRIGUES Classe VI – Representação

TC-030.142/2007-4 Natureza: Representação

Entidade: Ministério do Esporte e Comitê Organizador dos

Jogos Pan-Americanos Rio – 2007

Responsáveis: André Gustavo Richer, vice-presidente do Comitê Executivo do Comitê Organizador dos Jogos Pan-americanos Rio-2007; Comitê Organizador dos Jogos Pan-americanos Rio 2007 – CO-RIO -; SPE PAN 2007 Empreendimentos Imobiliários S.A –

CNPJ 06.337.750/0001-30

Advogado constituído nos autos: não há

Anúncios

Caro Beto, importantissima a lembrança do aniversário do Pacaembu.
Infelizmente nossa MÍDIA esportiva só fala de futebol.
No Pacaembu assisti quando garoto atletismo dos Jogos Pan Americanos, meetings após São Silvestre com
Kenneth Norris (INGLATERRA), Emil Zatopeck  ( CHEKOSLOVAQUIA) no dia Dia Independencia do Brasil as escolas faziam demostração de Ginastica Sueca no gramado com milhares de alunos, inclusive eu um garoto do Ginasio Anhanguera na Lapa ia entusiasmado  para o treino e apresentação da Ginastica, com nosso prof. educação Física Prof. Oto, recebiamos um guarana e um sanduiche.Hoje infelizmente não temos mais Educação Física para a garotada.Assisti e nunca mais esquecerei os atletas brasileiros disputando Meetings Internacionais na pista de carvão, uma das muitas São Silvestres terminou dentro do gramado do Pacaembu com vitória dos EEUU meu atleta foi 15 colocado. O atletismo sempre foi evidencia no Pacaembu com atletas ren omados
Bergonzoni,Carlos Mossa, Clovis Nascimento, Wanda dos Santos, a cultura esportiva do Brasil resume futebol e 
e ainda pensamos em ser um Pais Olímpico.
Nossa juventude necessita urgentemente de modelos esportivos, não poderemos jamais ser potencia Olimpica, quando nossos idolos são esquecidos pela imprensa em um momento tão importante como o aniversario Pacaembu, um monumento do esporte do Brasil
Um grande abraço do Carlão

Dr. Mário Carvalho Pini

abril 29, 2010

Este Blog solidariza-se com a família do Dr. Mário Carvalho Pini, que morreu em São Paulo no dia 27 de abril de 2.010. Dr. Pini foi ex-atleta da equipe campeã brasileira de atletismo do Clube Espéria, Diretor Médico do Comitê Olímpico Brasileiro por mais de vinte anos, Professor da Universidade de São Paulo, autor de Obras na área da medicina esportiva e um dos precursores dessa especialidade no Brasil. Ao querido Pini, todas as nossas homenagens.

Comentário:
O patrimônio esportivo (pistas, ginásios, piscinas, centros esportivos) do Estado de São Paulo iniciado por Sylvio de Magalhães Padilha e com especial ênfase ao interior do Estado já era, na década de 50, maior do que a maioria dos estados brasileiros nos dias de hoje. 
Menos preconceito e ideologia contra o fato de ele ter sido militar e reconheçamos que quem faz o esporte não é a economia mas os homens. Só um exemplo, a cidade de Belo Horizonte (capital da segunda economia do Brasil) não possui até hoje um Centro Esportivo acessível ao público seja municipal ou estadual. Mesmo na Grande BH esses centros são poucos e recentes e o que não falta é receita de impostos gerados por grandes indústrias e mineradoras.
Para o Pan de 1963 não foi necessária nenhuma obra grandiosa, o Pacaembu já com 23 anos de vida deu conta do recado onde aconteceram as disputas de futebol e atletismo. Além do tênis, natação e boxe que foram disputados no centro esportivo onde se situa o estádio do Pacaembu.

Pacaembu 70 Anos.

abril 28, 2010

O Capitão, Professor de Educação Física e Atleta Finalista Olímpico, Sylvio de Magalhães Padilha, criador e Diretor do Departamento de Esportes e de Educação Física do Estado de São Paulo (o terceiro da direita para a esquerda), caminha pelo Estádio do Pacaembu pouco antes de sua inauguração.

Prezado Murray: Esta nota, que reproduzo a seguir, é datada de 22 de agosto de 2006, e pode ser vista no site da CBDG – Confederação Brasileira de Desportos no Gelo:

“A prefeitura de Campos do Jordão assina nesta terça-feira, dia 22, Protocolo de Intenções para a construção do Centro de Esporte de Inverno. O documento será assinado pelo Prefeito de Campos do Jordão João Paulo Ismael e o presidente da Confederação Brasileira de Desportos no Gelo – CBDG, Eric Leme Walther Maleson às 17 horas.

“O protocolo de intenções significa um avanço nas negociações para que a cidade possa ser sede do primeiro Centro de Esporte de Inverno, avaliou o prefeito, um dos principais incentivadores do projeto. “O Centro de Esporte de Inverno vai transformar a cidade na capital brasileira de desportos no gelo”.

“De acordo com o Presidente da entidade Eric Leme Maleson, existem grupos de investidores interessados no projeto, dispostos a investir de 50% a 80% do custo. A construção do Centro é um passo importantíssimo para a CBDG, pois possibilitará o desenvolvimento e treinamento de atletas em território brasileiro, além de oferecer um local definitivo para a organização dos Campeonatos Brasileiros e internacionais da entidade.

“Também como parte do acordo, alunos das escolas públicas de Campos do Jordão terão acesso gratuito ao complexo, através do Programa da CBDG: “PATINA BRASIL”, onde estudantes terão aulas de patinação no gelo.

“A proposta do empreendimento surgiu paralela à vinda do Ministro do Esporte Orlando da Silva Júnior a Campos do Jordão ocasião em que conheceu o projeto do Centro de Treinamento de Alto Rendimento.

“A parceria consiste inicialmente entre investidores da iniciativa privada e a contrapartida do município através de cessão de terreno e incentivos fiscais.
O Centro de Esporte de Inverno já conta com projeto preliminar desenvolvido pela Confederação. No projeto há previsão de heliponto, pista de hóquei e patinação no gelo, áreas para prática de Curling, entre outras modalidades.

“A idéia é de desenvolver o projeto como atração turística nacional. O clima e a altitude de Campos do Jordão são os pontos que favorecem a cidade para poder sediar o Centro. Para a construção das pistas de gelo seria utilizada tecnologia européia.

“A prefeitura vai viabilizar a cessão de uma área próxima ao Centro de Treinamento de Alto Rendimento, tornando o local em um mega-complexo esportivo. Num dos contatos feitos pela entidade com a prefeitura é destacado que com o término dos Jogos Olímpicos de Inverno de Turim a confederação iria direcionar os esforços na busca de viabilizar o projeto.(…)

“Com a vinda do Ministro do Esporte, Orlando da Silva Júnior, no último dia 21 de julho foi efetivada a assinatura do convênio com a Prefeitura de Campos do Jordão para a construção de um Centro de Treinamento de Esportes de Alto Rendimento.

“Com o fim do processo de licitação as obras devem ser iniciadas ainda em agosto. A expectativa é que a construção, orçada em R$ 1,91 milhão seja concluída em 15 meses.

“O Ministro conheceu o projeto para o centro, durante coletiva de imprensa no Gabinete do Prefeito. Na ocasião ele afirmou que a construção do centro de treinamento simboliza os esforços do Brasil em se credenciar como país-sede para a Olimpíada de 2016.

“Durante o encontro das autoridades, foi apresentado o projeto para o centro, que ocupará uma área de 100 mil metros quadrados no bairro dos Mananciais.

“Serão 14,55 mil metros quadrados de instalações entre quadras poliesportivas, pista de saltos, mountain bike, bicicross, corrida e alojamentos, além de uma quadra coberta com capacidade para 2.000 pessoas.”

As fotografias deste post são de um suposto “Centro Olímpico” que o Ministério do Esporte estaria construindo na cidade paulista de Campos do Jordão. Clique em cada fotografia para ampliá-las. Vejam o valor do investimento que consta em uma das placas. Ao visitar o tal Centro Olímpico, não se encontra nada além das placas e de um matagal. Uma daterminada empresa comprou material para construção de uma pista e não recebeu absolutamente nada do Ministério do Esporte. A pergunta é: Para onde foi este dinheiro?

%d blogueiros gostam disto: