Home

Não É De Hoje Que O Bastão Do Atletismo Do Brasil Vem Despencando.

agosto 19, 2013

Há algum tempo Nuzman deu entrevista às páginas amarelas da revista Veja, em que dizia, entre outras estultices “ter perfil único” e, por isso, eternizar-se no Comitê Olímpico Brasileiro. Falou, ainda, que a culpa pelos maus resultados do Brasil não era da cartolagem, que investia milhões no atletas que, na hora H, amarelavam. Nuzman naquela entrevista foi grosso com Fabiana Murrer, ao afirmar que “o vento estava forte para todas”, querendo colar na testa na nossa campeã mundial a culpa pelo fracasso em Londres 2.012. Nuzman é, entretanto, o primeiro a aparecer quando um atleta do Brasil sobe ao pódium.

Nuzman também tem parte muito grande no fracasso que foi a participação do Brasil no mundial de atletismo de Moscou. O bastão do atletismo do Brasil faz tempo começou a cair, quando outro czar do esporte, Gesta de Melo, aliado de Nuzman, aboletou-se na presidência da Confederação Brasileira de Atletismo e lá ficou por quase trinta anos, recebendo muito dinheiro público e sem desenvolver projetos para massificar a modalidade. Além de ter sido servil a Nuzman e um instrumento de suas ambições políticas, Gesta de Melo usou o dinheiro público que recebeu exclusivamente na elite, com resultados paupérrimos perto daquilo que poderia ter atingido. Imaginem se nesses trinta anis tivéssemos tido dirigentes competentes no atletismo, que tivessem investido corretamente o volume enorme de dinheiro estatal. Certamente estaríamos em um patamar muito acima do que estamos hoje. Ao receber dinheiro público e retribuir muito pouco, quase nada, à sociedade, Gesta de Melo deveria ser duramente questionado pelos poderes constituídos, pois foi incompetente na administração desses recursos, dinheiro do povo.

Dizer que o Brasil foi razoável no mundial de Moscou é forçar a barra. Não foi. Foi pior ainda se considerarmos os recursos disponíveis, que só aumentaram ao longo dis anos. Trinta anos é mais do que uma geração de atletas. Gesta de Melo dizimou a possibilidade de ter sido criada uma base forte no atletismo do Brasil. Uma pena. Gesta de Melo e Carlos Nuzman rezam pela mesma cartilha errada, deixando de lado qualquer tipo de interesse no trabalho de base de longo prazo.

Com o fim da era Gesta de Melo que tanto mal fez ao atletismo do Brasil, é a hora de se recuperar o tempo perdido e trabalhar sério pela criação de uma nova geração, para dar bons frutos olímpicos no futuro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: