Administrar O Esporte Não É Luta De Classes.

Volto ao tema do novo estatuto do Comitê Olímpico do Brasil (“COB”). Novas regras, modernas e democráticas, espera-se, serão aprovadas na assembleia geral ainda em novembro. Atletas terão participação ativa no novo modelo, com voto igual aos dos presidentes das Confederações e aos dois membros do Comitê Olímpico Internacional (“COI”) no Brasil. A proposta de estatuto está sendo cuidadosamente elaborada, que está ouvindo diversos segmentos do esporte e de maneira que, sobretudo, esteja de acordo com todas as regras da Carta Olímpica.

 

Para que o novo modelo de administração dê certo é importante não fomentar a “luta de classes”, como se atletas estivessem de um lado e presidentes de confederações de outro. Se a mentalidade for essa, ficaremos empacados em discussões grosseiras, perdendo a chance de dar o grande passo transformador do esporte. Na nova assembleia geral do COB, é importante que cada integrante vote com independência e de acordo com as suas convicções. Que os debates sejam amplos e renovados, que cada um se sinta plenamente confortável para expor suas ideias, sem receio de retaliações. Isso vale para presidentes de Confederações e para atletas. Não podemos partir do princípio que haverá deliberações em bloco, dos atletas votando sempre juntos, ou dos presidentes de Confederações votando constantemente unidos, uns contra os outros. A assembleia geral do COB não é o Congresso Nacional, assim como os grupos dos atletas e dos presidentes de Confederações não são partidos políticos. É plenamente errada essa visão dicotômica e maniqueísta de dividir a plêiade do órgão maior do nosso Movimento Olímpico em grupos pré-definidos. A democracia cabal em assembleias gerais de órgão desportivos pressupõem  a independência de seus integrantes. Inclusive porque, vários presidentes de Confederações foram, ou ainda são atletas e não seria correto argumentar o contrário.

 

O importante é que todas as Confederações também modernizem suas estruturas, que estejam bem representadas por pessoas competentes e que os atletas em atividade elejam seus melhores quadros para integrar a assembleia geral do COB. O esporte não comporta luta de classes, quando há democracia na sua gestão.

 

 

Categorias olimpismo

Um comentário em “Administrar O Esporte Não É Luta De Classes.

  1. Alberto, isso funciona dependendo da quantidade de atletas que podem votar! Senão esquece.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close