Home

A Entrevista de Nuzman.

julho 15, 2014

Ontem Carlos Arthur Nuzman deu entrevista aos excelentes repórteres da Folha de São Paulo, Edgard Alves e Paulo Roberto Lauand Conde. Por melhor que sejam os entrevistadores, como aqui é o caso, de Nuzman nunca extrai-se muita coisa. Perguntas objetivas não têm as mesmas respostas. Ele costuma responder o que quer, fugindo do tema central, daquilo que efetivamente a sociedade quer e necessita saber, principalmente de um indivíduo que tem em suas mãos a responsabilidade de gerir um brutal orçamento proveniente de dinheiro público. Nuzman não foge à regra da maioria dos políticos que, quando entrevistados, agem da mesma maneira.

Um ponto chamou minha atenção, entretanto. Quando indagado sobre o superfaturamento de 1.000% dos Jogos Panamericanos no Rio de Janeiro em 2.007, disse Nuzman que isso se deu porque, no meio do caminho, ele levou ao governo a ideia da candidatura olímpica. E, por isso, tinham que caprichar no evento, motivo pelo qual as obras ficaram mais caras. Nuzman, agora, mudou o discurso. Antes falava que qualquer obra tinha o chamado “orçamento flexível”, ou seja, os preços inicialmente previstos nunca eram aqueles que se viam ao final. Roque Citadini, Conselheiro do Tribunal de Contas de São Paulo e homem ligado ao esporte até fez boa piada, na época, ressaltando que Nuzman era o criador do conceito novo do “orçamento flexível” e, pior, feito com dinheiro do povo.

Nuzman não disse em sua entrevista à Folha, ontem, que a grande maioria das obras e serviços atrasaram muito, em alguns casos sendo consideradas de caráter emergencial. E que por esse motivo, como é natural, tudo ficou muito mais caro a ponto de o orçamento inicial explodir em 1.000%.

E se o argumento de Nuzman estivesse correto, isto é, se os Jogos Panamericanos foram caríssimos porque tinham que ter jeito de Olimpíada para fomentar a futura candidatura é de indagar-se aonde está o legado. Fosse isso, muito pouco teria que ser construído para as Olimpíadas. E o que se viu foi exatamente o oposto. Quase todas as obras olímpicas terão que ser construídas e o pouco que sobrou do Panamericano é subutilizado. Isso sem falar no velódromo, também caríssimo, que em vez de servir para a Olimpíada, conforme apregoa Nuzman em sua entrevista, foi completamente destruído para o erguimento de um novo, ainda mais dispendioso.

Meu palpite segue sendo o mesmo. Assim como a Copa, os Jogos Olímpicos, agora sob supervisão intensa do COI, vão sair de forma satisfatória, mas por um custo altíssimo para o povo brasileiro. E depois disso, teremos aí espalhados pela cidade mais uma porção de elefantes brancos, que poderiam estar a serviço do esporte social. Mas que não estarão.

O Brasil gastará com os Jogos Olímpicos, um evento de quinze dias, o orçamento anual da cidade de São Paulo. Isso nos cálculos atuais, sem contar os “orçamentos flexíveis” que certamente veremos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: