Quer Entender Um Pouco Mais do “Legado” Rio 2016?

Por Alberto Murray.

Desde o primeiro dia que começou essa aventura olímpica brasileira posicionei-me contra, por razões que estão públicas, as quais não vou repisar agora, porque não é o objetivo deste artigo. O tempo passou e mostrou que eu tinha razão. Rio 2016 foi um engodo e uma roubalheira desenfreada. Por isso há muita gente que foi presa.

Nesta semana, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, comunicou que doará uma das piscinas adquiridas para os Jogos Olímpicos para a cidade de Maricá. A iniciativa é boa. Mas que não seja um presente de grego. Junto com a doação precisa-se estabelecer quem dará os recursos para a sua instalação e manutenção. E, ainda, que seja criado um plano de plena utilização do equipamento. Não ficou claro para mim o que será feita da piscina de aquecimento. Embora antes tarde do que nunca, é vergonhoso que uma piscina de altíssima qualidade tenha permanecido empacotada, sem uso, por cinco anos.

Desde o período que precedeu os Jogos Panamericanos de 2007 até a conclusão dos Jogos Olímpicos do Rio 2016, nunca, na história deste país, jorrou tanto dinheiro federal, de maneira tão fácil e tão sem controle, para os cofres do esporte.

Vamos, então, começar tratando do legado falando em piscinas. Antes desta de Maricá, outras quatro piscinas compradas para o Rio 2016 já haviam sido doadas. São elas: (a) para Manaus; (b) para Salvador; (c) para o Exército Brasileiro, na Fortaleza de São João; e (d) para a Aeronáutica do Brasil, mediante contrato.

Ao longo deste texto vamos abordar mais sobre desportos aquáticos e o “legado” olímpico do Rio.

PARQUE OLÍMPICO DA BARRA

O investimento do Ministério do Esporte no Parque Olímpico da Barra foi de R$ 1.2 Bilhão. Vamos analisar item a item:

Centro Olímpico de Tênis:

Gastaram-se R$ 194.000.000,00 (cento e noventa e quatro milhões) com a construção do Centro Olímpico de Tênis, que levou no nome da multi campeã Maria Esther Bueno. O legado prometido para esse espaço era a realização permanente de eventos de alto rendimento e projetos sociais. As instalações deveriam servir, exclusivamente, ao esporte, em particular ao tênis. O que se viu não foi isso. A prática do tênis foi esquecida. O local, em deterioração, tem várias outras utilidades, mas que não são aquelas estabelecidas no projeto Rio 2016. Houve claro desvio de finalidade. Deveria, de acordo com as promessas dos organizadores, ser administrado por meio de uma Parceria Público Privada (PPP) e cuja prorrogação do contrato seria definida em parceria entre o Ministério e as Confederações. Não existe.

Velódromo Olímpico:

Investiram-se R$ 140,6 Milhões para a sua construção. O comprometimento do legado era fazê-lo um espaço destinado ao alto rendimento e projetos sociais, para ajudar a massificar a prática dessa modalidade. Também não foi nada disso que ocorreu. O ciclismo não pode aproveitar o espaço como prometiam os organizadores do Rio 2.016. Houve desvio de finalidade. Espaço totalmente subutilizado. Novamente, o espaço deveria ser gerido por uma PPP, cuja renovação do contrato seria definida nos mesmos moldes do Centro Olímpico de Tênis. Não existe, também.

Arenas Cariocas:

Os recursos do Ministério do Esporte foram destinados à climatização, no montante de R$ 58,5 Milhões. A contrapartida dos legados, previstas em notas técnicas e documentos oficiais, eram as seguintes: (a) Arena Carioca I – serviria ao esporte de alto rendimento e para a promoção de eventos; (b) Arena Carioca II – seria exclusiva para o esporte de alto rendimento; (c) Arena Carioca III – Ginásio Experimental Olímpico (GEO), que deveria ter vinte e quatro salas de aulas em pleno funcionamento, laboratórios de ciências, de mídias e duas salas multi uso. Obrigavam-se a ter um contingente de mil alunos em tempo integral. Basta uma visita ao local para se ver que o legado prometido está muito, mas muito longe do que a patota olímpica do Rio 2016 prometeu ao povo do Brasil, que pagou essa conta. Mais um engodo.

Instalações Temporárias:

Para as instalações temporárias o Ministério do Esporte destinou mais R$ 365,4 Milhões. E, assim, vejamos:

Arena do Futuro: Foram gastos R$ 140 Milhões. O legado a que os organizadores da aventura olímpica se obrigavam a proporcionar ao povo, como contrapartida, era que aquela estrutura seria desmontada para serem construídas quatro escolas públicas. Três seriam na região de Jacarepaguá e uma em São Cristóvão. Novamente, nada feito.

Estádio Olímpico de Esportes Aquáticos:

O valor empreendido foi de R$ 225,3 Milhões. A contrapartida do legado deveria ser transformá-los em dois centros aquáticos, a saber: (a) Parque Madureira; e (b) Campo Grande. Em um deles obrigavam-se a colocar cobertura e arquibancadas para seis mil expectadores. O outro, arquibancadas para três mil expectadores. Ninguém fez nada. mais um contrato descumprido. E cuja conta Você pagou.

O Ministério do Esporte também investiu outros R$ 159 Milhões, que foram usados para a construção das primeiras linhas de transmissão de alimentação de energia do Parque Olímpico da Barra, construção de subestação de energia elétrica e da primeira linha de alimentação de energia do campo de golfe (cuja construção, em si, já foi um outro escândalo, largamente abordado pela imprensa especializada).

E não para por aí. Ao Ministério do Esporte também coube gastar R$ 290 Milhões no fornecimento de energia temporária (geradores, cabeamento, operação e manutenção) para as instalações de competições e locais de não competição na região da Barra.

O legado a que se obrigavam era realizar uma PPP com prazo de vinte e cinco anos, envolvendo a prefeitura do Rio, a iniciativa privada e as Confederações esportivas olímpicas.

Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

A UFRJ também foi palco de eventos olímpicos e recebeu vultosos recursos do Ministério do Esporte no total de R$ 61.390.000,00, divididos da seguinte forma:

R$ 1.739.364,48, para o que chamaram de Projetos;

R$ 869.682,24, para Serviços Preliminares;

R$ 21.162.267,92, para a construção do campo de Hóquei na Grama;

R$ 8.406.928,35, para a construção do campo de Rugby;

R$ 14.494.704,06, para a reforma da piscina;

R$ 3. 768.623,06, para reforma de edifícios já existente da EEDF (vestiários);

R$ 7.537.246,11, para infraestrutura, urbanismo e paisagismo; e

R$ 3.411.183,78, para assistência técnica, operação civil e instalações.

Tudo isso foi dinheiro público federal destinado a uma universidade pública federal. O que se esperava é que, após os Jogos Olímpicos, esses espaços estivessem conservados, sendo largamente utilizados pelos alunos, pela comunidade local e pelo púbico em geral. Visite a UFRJ e veja Você mesmo a situação calamitosa em que se encontram essas instalações, subutilizadas e em franca deterioração. No ano passado, a Confederação Brasileira de Hóquei na Grama fez um apelo legítimo, público, para que as autoridades mantivessem o campo de hóquei preservado e em condições de uso, para que não se perdesse de vez aquele “legado olímpico”. A desídia com que a universidade federal está tratando tudo que foi feito é de se lamentar. Entendo que a universidade federal, àquela altura, já não tinha recursos para manter tudo aquilo. Mas isso deveria ter sido pensado antes. Instalações temporárias teriam sido mais baratas e não teriam virado elefantes brancos.

Parque Olímpico de Deodoro

No início, havia hesitação por parte das Forças Armadas em querer se envolver com essa questão olímpica que, sem dúvida, acaba imiscuindo-se com políticos e política. Boa parte dos integrantes das Forças Armadas têm restrições em se envolver com questões fora da caserna, porque em todas as vezes que assim o fizeram, isso gerou um desgaste para a instituição. Com toda razão, portanto, as Forças Armadas hesitavam bastante em mergulhar na aventura olímpica brasileira, principalmente considerando as pessoas que estavam à frente da organização do evento. Mas o então prefeito Eduardo Paes literalmente forçou a barra para usar as instalações militares de Deodoro como parte do palco olímpico. Mas ainda havia uma questão a ser superada. Por lei, as Forças Armadas não recebem repasses diretos de dinheiro que não estejam previstos no orçamento da União Federal. Ou seja, não poderiam receber recursos além daqueles orçamentários, que seriam usados na construção das obras olímpicas em Deodoro. Nesse cenário, para viabilizar o projeto, a Marinha do Brasil usou uma empresa chamada EMGEPRON, a quem coube receber os recursos. Quem pagou a conta da construção do Parque Olímpico de Deodoro foi o consórcio da Prefeitura do Rio e do Ministério do Esporte. Entre as obras esportivas que sobraram dos Jogos Olímpicos Rio 2016, reconheço que o Parque Olímpico de Deodoro é o que tem melhor utilização. Aliás, talvez o único espaço que seja, de alguma forma, utilizado. Mas evidentemente que poderia ser muito mais usado, se houvessem os organizadores dos Jogos cumprido as promessas feitas antes deles acontecerem. A utilização é pouca em face do que poderia ser. O Parque Olímpico de Deodoro custou aos cofres públicos R$ 820,9 Milhões. Foi Você quem também pagou por ele.

Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem

O Ministério do Esporte investiu a alta cifra de R$ 269,5. As novas instalações do LBCD receberam R$ 151,3 Milhões do Ministério do Esporte e R$ 38,5 Milhões do Ministério da Educação, para serem utilizados em obras e projetos. Para a compra de insumos, novos equipamentos, materiais, mobiliário e operação foram destinados R$ 74,6 Milhões, sendo R$ 60 Milhões do Ministério do Esporte e R$ 14,6 do Ministério da Educação. A quase totalidade dos equipamentos é importada. Além disso, houve um aporte de R$ 43,6 Milhões, sendo R$ 28,6 Milhões do Ministério do Esporte e R$ 15 Milhões do Ministério da Educação, exclusivamente para a chamada operação olímpica. O laboratório foi recredenciado pela Agência Mundial Antidopagem (WADA), em maio de 2.015, passando a ser o trigésimo quarto laboratório do mundo credenciado pela instituição e o segundo da América do Sul. O outro está em Bogotá, na Colômbia.

A contrapartida de legado para esse alto investimento de recursos públicos deveria ter sido destinar esses equipamentos a universidades federais e outras instituições públicas. Cabível e necessária uma investigação do Ministério Público sobre o assunto.

Construção de Pistas de Atletismo

Foram destinados R$ 301,8 Milhões do Ministério do Esporte para a construção de quarenta e sete pistas de atletismo no Brasil. Haviam sido entregues apenas dezenove delas. As demais ficaram pelo caminho do legado inexistente e esse é mais um ponto que merece ser objeto de investigação por parte do Ministério Público Federal. O projeto previa que, após a construção dessas pistas, a manutenção, equipagem e operação delas ficariam a cargo de parcerias entre o Ministério do Esporte, Governos Estaduais e Municipais, Universidades, Confederação Brasileira de Atletismo e clubes.

Nosso herói olímpico, o velocista André Domingos, fez um louvável esforço junto ao Ministério do Esporte para que uma dessas pistas fosse construída em sua cidade natal, no interior de São Paulo. Apesar de tudo, não logrou êxito, o que é uma pena.

Outro ponto a ser destacado é que essas pistas, aquelas que saíram do papel, foram construídas levando-se em conta critérios meramente políticos e não técnicos.

Equipamentos De Ponta Para Preparação de AtletasRede Nacional de Treinamento

Essa foi mais uma promessa de legado da Rio 2016. Desde 2010 o Ministério do Esporte celebrou cento e quarenta e quatro convênios com entidades esportivas, cujos repasses excederam R$ 300 Milhões. Os Convênios deveriam permitir, além da aquisição de equipamentos modernos, expressivo investimento na preparação dos atletas de alto rendimento, com participação em torneios internacionais, treinamentos em outros países e no Brasil, além de identificação e formação de novos talentos e a contratação de equipes multidisciplinares.

A compra de equipamentos beneficiou alguns centros já existentes em algumas modalidades.

A contrapartida do legado desses cento e quarenta e quatro convênios e do investimento de R$ 300 Milhões deveria ter sido a Rede Nacional de Treinamento. Essa tal Rede Nacional de Treinamento nunca saiu do papel na forma em que foi concebida, E é recomendável ao Ministério Público Federal que investigue, uma a um, esses cento e quarenta e quatro convênios, os recursos despendidos em cada um e os benefícios para os atletas e para o povo brasileiro.

Laudo de Inspeção de Instalações do Parque Olímpico da Barra

No dia 18 de abril de 2.017, o então ministro do esporte, Leonardo Carneiro Monteiro Picciani enviou um ofício ao então prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Bezerra Crivella, no qual noticiava ter havido uma vistoria técnica nas instalações no Parque Olímpico da Barra, entre os dias 07 de 10 de fevereiro daquele ano. Os engenheiros responsáveis pela vistoria técnica encontraram, segundo a carta “mais de 1.300 (mil e trezentos) registros de anomalias ou falhas identificadas em diversos sistemas construtivos”. Anexa à carta seguiu o laudo de vistoria técnica. Ao final da carta, o ministro solicitava ao prefeito providências para correção das “anomalias”, notadamente nas Arenas 1 e 2, velódromo e centro de tênis. E, ainda, requeria aceleração no cumprimento de recebimento definitivo das obras, para o cumprimento da cláusula décima terceira do acordo de cessão. Ou seja, o Parque Olímpico da Barra, que deveria ter gerado um legado magistral, estava literalmente caindo aos pedações e representava um risco para o cidadão. As obras que Você pagou, com o dinheiro do seu imposto, estavam ruindo. O tal contrato de cessão a que o ofício do ministro se refere, dizia respeito à transferência do Parque Olímpico da Barra do Município do Rio de Janeiro, para a União Federal. Isto é, a dívida tinha passado a ser de todo povo brasileiro.

Ainda é necessário frisar que essas ” mais de 1.300 anomalias’, identificadas pelos engenheiros, acabou por ser do conhecimento de todas as autoridades envolvidas com a organização dos Jogos, que nada fizeram. O próprio Escritório Olímpico, cuja função prática era nenhuma, teve conhecimento do fato e também quedou-se inerte.

Centros de Iniciação Ao Esporte Em 233 Cidades (CIE)

A finalidade de cada um desses CIE, segundo a patota olímpica, era identificar talentos, formar atletas e incentivar a prática esportiva em territórios de vulnerabilidade social, mediante a construção de instalações esportivas que deveriam seguir as exigências oficiais. Cada CIE tinha por obrigação oferecer a prática de treze modalidades olímpicas, seis paraolímpicas e uma não olímpica (futsal). Tudo isso teria o pomposo nome de Rede Nacional de Treinamento. O prometido é que tudo isso deveria estar pronto no dia da abertura do Rio 2016. Nada aconteceu! Essa teria sido a contrapartida para uma quantia de R$ 836 Milhões que, mais uma vez, jorraram dos cofres do Ministério do Esporte e sabe-se lá aonde foram parar. Nunca ouvi, ou lí, que se tenha feito uma investigação sobre o tema.

A Floresta Olímpica

Na inauguração dos Jogos Olímpicos do Rio 2.016, cada atleta que entrava para desfilar, pegava uma muda de árvore, que seria plantada em algum lugar do Rio, para se formar uma frondosa Floresta Olímpica. Até pouco tempo atrás aquele amontoado de mudas estava guardado em um lugar no Rio, sem nunca ter virado floresta. Há alguns meses ouvi que alguém plantaria algumas delas em algum lugar. Não sei se o fez. Os organizadores do Rio 2016 haviam prometido um “legado ambiental”, que nunca foi feito. Aquela história das mudas era uma jogada de marketing para esconder a falta de legado ambiental e dar a impressão de que o Rio 2016 preocupava-se em ser “sustentável”. Outro embuste, que Você pagou. O maior legado ambiental que o Rio 2016 poderia ter deixado ao Brasil teria sido a despoluição da Baía da Guanabara.

Conclusões

A tal da AGLO, criada para cuidar do “legado olímpico” mostrou-se outra coisa inútil, que se não me engano custava aos cofres públicos cerca de R$ 40 Milhões ao ano. Era um cabidão de empregos, que nunca fez nada. Aliás, que legado ela teria para cuidar?

Rio 2016 foi um embuste, que Você pagou a conta e que não lhe trouxe nada de bom. Muita gente ganhou muito dinheiro com isso.

Esses atos de improbidade não podem ficar esquecidos e cair naquelas coisas que, no Brasil, não raro, dão em nada.

Temos um Ministério Público Federal competente, que tem que ir atrás disso, antes que os crimes prescrevam.

E lutar muito que todas as pessoas que fizeram parte do mar de lama Rio 2016, nunca mais retornem ao esporte, ou a qualquer outra posição de liderança.

Desde que me propus a denunciar as mazelas do esporte, passei a receber documentos oficiais, alguns públicos, de gente insatisfeita com os rumos do olimpismo no Brasil. Eu os uso para muitos de meus artigos e, em alguns caso, para desbaratar quadrilhas que antes pareciam invencíveis.

Pela ética e transparência no esporte, sempre!

Categorias olimpismo

8 comentários em “Quer Entender Um Pouco Mais do “Legado” Rio 2016?

  1. Wilson Ambrosio da Silva março 31, 2021 — 8:11 pm

    Dr. Alberto. Boa noite.
    Excelente material, maravilhoso CV
    Vou tomar a liberdade de encaminhar aos meus grupos de amigos. Muito Obrigado
    Abraços. Wilson Ambrosio

    Curtir

  2. Obrigado. Abraços.

    Curtir

  3. Alexandre Fernandes abril 1, 2021 — 8:44 am

    Faltou acrescentar que perdemos um autódromo de padrão internacional que era homologado pela FIM e pela FIA até sua desconfiguração olímpica, que se inicia no Pan. , Perdemos, entre outros, o evento recorrente anual da MotoGP. Hoje a etapa sul americana acontece na Argentina.

    Curtir

  4. KATIA MARIA RIERA MACHADO abril 4, 2021 — 4:54 pm

    Excelente matéria. Expõe o que a grande maioria já sabia que iria ocorrer, nenhum legado! O montante financeiro gasto sem controle precisa ser investigado. O Brasil não merece essas pessoas deturpando o esporte!
    Parabéns pelo currículo!

    Curtir

  5. Participei dos jogos olímpicos e é muito triste saber que aconteceu o que todos previam: nada !
    Fica sempre a esperança que um dia nosso imenso Brasil mude. Eu acredito, como você, que o esporte é uma ferramenta essencial para continuarmos sonhando com isso.

    Curtir

  6. Excelentes comentários de quem realmente está (e esteve) a par de tudo o q escreveu. Mas algo foi deixado de positivo devido ao Legado Olímpico?

    Curtir

  7. Muito pouco para o esporte. Algumas modalidades ficaram com alguns euipamentos. Mas muitíssimo pouco perto do que se investiu nos Jogos. Obrigado. Abraços.

    Curtir

  8. Obrigado pela leitura e comentário. Um abraço. Alberto.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close