Porquê Bolsonaro Errou.

O que diferencia os humanos dos outros animais é a capacidade de angariar informações, raciocionar e mudar de opinião. É o exercício da inteligência, que tanto distingue a espécie humana. Bolsonaro parece não ter esse dom. Vários líderes mundiais começaram mal o combate à pandemia e, durante o avanço da doença, tiveram a capacidade de observar os fatos e alterar os rumos em seus respectivos países.

Quando a pandemia chegou ao Brasil, a Ásia e a Europa já enfrentavam momentos de muita dificuldade. Era óbvio que, em algumas semanas, o Brasil seria vítima do mesmo problema. O Brasil deveria ter, imediatamente, preparado-se para enfrentar a doença. O que se esperaria de um líder nacional era que advertisse a nação dos riscos que correríamos em breve. Que pedisse aos Poderes da República, aos governadores, prefeitos e ao povo união em torno de um projeto de prevenção e combate ao coronavírus que deveria ser colocado em prática por uma comissão especial formada por representantes da sociedade, médicos e cientistas. É algo que deveria estar acima das questões e dos interesses políticos das pessoas e dos partidos. A função de um estadista seria a de pregar a união nacional.

Ao invés de agir como um estadista, o presidente Bolsonaro pregou a cizânia, menosprezou a doença, e debochou da ciência. Um plano bem feito, com a presença de especialistas, poderia, inclusive, ter pensado as melhores e mais eficazes formas de encaminhar a equação lockdown vis-a-vis manutenção de empregos.

O fato é que, ao desunir a nação, Bolsonaro agravou algo que já seria difícil de combater. Ao invés de termos um projeto nacional de combate à pandemia, vimos cada cidade, cada Estado, agir de maneiras distintas, tomando como base não a ciência, mas interesses políticos. O Brasil passou a combater a pandemia de forma atabalhoada e desordenada.

Bolsonaro teve inúmeras chances de mudar de atitude. Mas nunca o fez. Parece um comportamento infantil, de quem não quer dar o braço a torcer. Bolsonaro pregou – e segue pregando – tudo o que os mais renomados cientistas e médicos de todo o mundo não recomendam. O resultado está aí, uma situação gravíssima, que a cada dia se deteriora, atingindo a saúde e a economia.

Não adianta Bolsonaro pôr a culpa nos governadores (os quais, inclusive, também podem ter suas parcelas de culpa). A questão não é política. É sanitária. Recuperar as vidas perdidas decorrentes da administração desastrada da pandemia é impossível. Mas ainda há tempo de fazer com que as coisas tomem outro rumo. Se Bolsonaro não muda, que nos perdoe o presidente, mas a nação tem que seguir o seu melhor caminho. Líderes, médicos e cientistas podem deixar de lado os devaneios de Bolsonaro, ignorá-lo para propor e implementar, rapidamente, um plano sanitário para debelar a pandemia que a cada dia assusta mais os brasileiros. Se Bolsonaro ficar calado, já estará prestando um grande serviço ao Brasil. E afirmo isso com enorme tranquilidade, porque não tenho alinhamento político algum com quem quer que seja. Estou tratando de saúde.

Categorias olimpismo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close