Prefeitura do Rio Compra Ingressos Dos Jogos Olímpicos Para Doar

Foi anunciado que a prefeitura do Rio de Janeiro comprará 547 mil ingressos dos Jogo Olímpicos e Paraolímpicos, para doar a servidores municipais, alunos da rede pública municipal de ensino e pessoas portadoras de deficiências. A matéria está, hoje, no UOL e é assinada por Vinícius Konchinski.

Algumas questões devem ser observadas sobre esse tema:

A iniciativa da prefeitura do Rio é boa. Muito importante que o acesso aos Jogos Olímpicos sejam democratizados e que pessoas que não poderão comprar ingressos devido ao elevado custo, estejam presentes nessa grande festa que, em boa parte, eles estão pagando. Um dos mais importantes legados olímpicos é mensagem que o esporte pode deixar para a população do Rio e do Brasil. Isso é importante para criar a mentalidade olímpica e esportiva no Brasil.

Entretanto, nota-se que, com exceção dos jogos finais mais importantes, a maioria das competições, pelo menos até o momento, não tiveram ingressos vendidos como era esperado. O Comitê Olímpico Internacional (“COI”) não gosta que imagens de televisão mostrem muitas cadeiras vazias nas competições olímpicas. E faz a recomendação de que, se ingressos encalharem, os organizadores locais deem um jeito no assunto. Lembrem-se de quem em Londres, essa questão foi abordada pelo COI, pelos organizadores e pela imprensa especializada. Assim, inclino-me a crer que, embora boa, a iniciativa da prefeitura do Rio não é de moto próprio. Tivessem os ingressos sido vendidos a contento, não me parece que teriam feito essas doações. De qualquer modo, muito bom que pessoas terão acesso a esse momento único que são os Jogos Olímpicos.

Outro ponto muito bem levantado pelo sempre coerente José Cruz, é o fato que o Poder Público deveria ganhar esses ingressos e não compra-los. Isto porque o Poder Público deu isenções fiscais bilionárias ao COI. Ainda citando José Cruz, um relatório do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, ainda não votado, constatou que a Cidade/Estado do Rio de Janeiro deixará de arrecadar R$ 38 bilhões em tributos, por conta dessas isenções para realizar os Jogos Olímpicos. São isenções concedidas entre 2.009 e 2.016. Por essas e outras é que o Estado, aos poucos, vai quebrando e deixando de pagar os salários dos aposentados, ou deixar de adquirir itens básicos para a saúde, habitação, educação, transporte e segurança, que afetam diretamente a vida do cidadão. Por isso, argumenta José Cruz, com sabedoria, que esses ingressos deveria ter sido doados ao Poder Público e esse item deveria ter feito parte e ter sido negociado na lei que concedei isenções ao COI.

Anúncios
Categorias olimpismo

Um comentário em “Prefeitura do Rio Compra Ingressos Dos Jogos Olímpicos Para Doar

  1. Saudações. São, entre outros motivos, três principais causas do 7 a 1 alemão na Copa. 1. A massificação da formação de atletas induzida pela mídia digital. A mídia, intimamente ligada ao alto rendimento esportivo, pode induzir os cadastros públicos de atletas em diversas modalidades, servindo ao interesse em massificação da formação de atletas. A estrutura das confederações e federações podem e devem ser abertas a eleições mais democráticas e periódicas, com maior participação de atletas, evitando a simples terceirizacao de gestões, garantidas em obscuras e antidemocráticas eleições. Uma Agência Nacional do Esporte, fiscalizando e regulando estas eleições e gestões, seria um grande avanço na gestão pública e privada do esporte nacional. Incentivaria a melhor formatação de ativos e eventos do esporte, para mais empresas de mídia, aumentando a renda dos clubes, e dinamizando o setor. 2. Alterações dos Limites temporais dos contratos desportivos. O avanço a proteção temporal dos contratos dos clubes com os atletas é fundamental. Ajudará a formar mais e melhores atletas pelos clubes. O projeto de Lei Geral do Futebol Brasileiro prevê, em seu artigo 33, A Bolsa de formação que terá duração de até 6 anos, para atletas em formação dos 14 aos 21 anos. Já em seu artigo 38, permite a partir de 16 (dezesseis) anos de idade, o primeiro contrato especial de trabalho desportivo com seu clube formasdor , cujo prazo não poderá ser superior a 5 (cinco) anos, com preferência para a primeira renovação deste contrato, cujo prazo não poderá ser superior a 3 (três) anos. 3. O monopólio de jogos de azar, e loterias, pela Caixa Econômica Federal , empobrecem o investimento privado nos clubes pelas apostas, que deveriam ser por empresas de mídia nacionais e internacionais idôneas, aumentando a gama de apostadores em escala global, extendendo – se , inclusive a mais modalidades. Com mais investimentos privados, os clubes poderão viabilizar modernos CTs e formar muito mais atletas, em diversas modalidades.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close