Home

O Novo Ministro do Esporte.

maio 16, 2016

Nunca tinha ouvido falar de Leonardo Picciani até que a questão do impeachment tomou vulto. Acho que ele não era, de fato, um político de projeção nacional. Como articulador do impeachment achei que a postura do Deputado Picciani não foi correta. Foi dúbio desde o princípio. Ao mesmo tempo em que liberou a bancada do PMDB para votar  pelo impedimento, ele próprio votou contra. Ou seja, fez jogo duplo. Não gosto de quem atua assim, ainda que essa postura seja natural no mundo em que vivem os políticos.

Sobre esportes, pesquisei e não achei nada que o ligue a esse segmento. A não ser o fato de que uma empresa de sua família forneceu material para obras relacionas aos Jogos Rio 2.016.

Ou seja, mais uma vez, o Ministério do Esporte tem como chefe um político que não guarda nenhuma relação com o assunto. Isso não o impede, entretanto, de fazer alguma coisa boa, a começar pela escolha da sua equipe.

Se o novo Ministro quiser realmente fazer algo pelo esporte, deve, finalmente, focar seus esforços na elaboração de uma política de estado para o setor, visando a sua massificação e democratização, levando-o para as escolas públicas.

Ministério do Esporte não deve servir para ser mero órgão repassador de dinheiro e nem organizador de grandes eventos.

Esporte é questão de educação e saúde pública, antes de qualquer coisa.

Como este governo, ao menos até o momento, é interino, dependerá de boas ações para ficar. O novo Ministro não tem muito tempo para apresentar ao Brasil seu plano de ação.

Anúncios

6 Responses to “O Novo Ministro do Esporte.”

  1. Vicente Alves Says:

    Saudações. Autonomia sem Esquizofrenia. A FIFA claramente tem sua estrutura de financiamento de patrocínios baseada em direitos de mídia, o que permitiu a extensão de poder de ingerência sobre eventos, como a Copa do Mundo. Basicamente, está esquecendo da democratização do espetáculo, onde ainda limita demasiadamente os direitos dos clubes formadores de atletas. A estrutura permitida de financiamentos e patrocínios globais, alguns de fonte duvidosa, represa os principais talentos a poucos clubes no mundo. O tempo limite de contrato dos atletas em cinco anos , certamente limita o poder econômico dos clubes brasileiros, fornecedores históricos de grandes craques para o mundo. Este remoção temporal, como autonomia aos países, induzido pela FIFA seria fundamental. Induziria a formação de muito mais craques, fortalecendo economicamente o clube formador. O mercado , automaticamente, por maior oferta, se adequaria.

  2. Vicente Alves Says:

    Saudações. Campanhas momentâneas de vendas, dirigidas a sócios , com homologações de clubes. É potencial bilionário pouco usado o patrimônio digital dos clubes, e dos seus torcedores, seus respectivos bancos de dados dos associados . Estes poderiam ser ativados comercialmente como publicidade e venda dirigidas de campanhas momentâneas , valendo-se do estado momentâneo de ânimo dos seus torcedores (vitórias, derrotas, conquista de campeonatos, contratação de um grande ídolo, outros). A ativação poderia ter dois fatores importantes : 1. A locação ao acesso dos dados invioláveis dos sócios, mantidos pelos clubes , 2. A homologação da campanha dirigida pela empresa com interesse comercial de vendas, pelo próprio clube. Estes dois fatores dão a garantia ao torcedor, que parte dos lucros da própria campanha comercial, mediante contrato, reverterão ao clube que a homologa. Seriam as verdadeiras “Olas”, milionárias aos clubes.

  3. Vicente Alves Says:

    Saudações. Aceitas Corinthians, Flamengo, Palmeiras, São Paulo, Santos, Joinville … coins ? A indexação de campanhas de marketing por moedas virtuais em ambientes de entretenimento esportivo. Com a base de dados de torcedores de clubes casa vez mais evoluindo e crescendo em quantidade e qualidade, haverá a indução, pela fidelização dos torcedores ao clube, e ao entretenimento esportivo, a criação de moedas virtuais, pela parceria atual de clubes com patrocinadores e fornecedores. A moeda virtual é muito mais flexível que uma mera política de descontos e bônus para alguns produtos e serviços, porque indexa o torcedor e cliente do clube e das ligas em que participam os clubes. Pelo valor e habitualidade do consumo em moedas virtuais dos torcedores, ficará muito mais fácil a segmentação de vendas de produtos e serviços. Inclusive incentivará as OLAS virtuais, onde o incentivo ao consumo pode ser momentâneo da evolução de partidas.

  4. Vicente Alves Says:

    Saudações. Curioso ainda não haver consenso sobre a criação de uma Agência Nacional do Esporte, reguladora e fiscalizadora da gestão pública e privada do esporte brasileiro. Esta Agência Reguladora poderia exigir das redes ainda televisivas, e cada vez mais de mídia digital, como Rede Globo, por exemplo, a divulgação dos “Naming Rights” de Arenas, Estádios, assemelhados, em suas transmissões esportivas , inclusive eventos nos locais. Aumentaria o rendimento dos clubes. Também poderia exigir eleições mais periódicas, mais democráticas nas Confederações e Federações esportivas no Brasil. Investimos na ordem de 0,1 TRILHÃO DE REAIS NOS ÚLTIMOS ANOS EM EVENTOS, E POR QUE NÃO CRIAMOS UMA AGÊNCIA REGULADORA E FISCALIZADORA DO ESPORTE BRASILEIRO ?

  5. Vicente Alves Says:

    Saudações. Que tal o mercado americano de soccer, Esporte Interativo ? A modificação de duas regras do futebol poderiam, diretamente, canalizar mais investimentos ao futebol brasileiro, historicamente, um dos maiores formadores de jogadores do mundo. O deslocamento da linha livre de impedimento até a grande área adversária e quatro tempos, dois de trinta e dois de quinze, tornariam o futebol mais ofensivo e mais movimentado, acarretando mais gols, pela maior possibilidade de contra-ataques, e maior descanso dos atletas. Inclusive aumentaria os intervalos comerciais. A ofensiva comercial da Esporte Interativo no Brasil, provavelmente propondo mais a Globo que a Bandeirantes pela retransmissão dos direitos do brasileirão, poderiam acarretar pressão à FIFA para a mudança de regras. Desta forma, poderia ser criada uma nova potência mundial do futebol, todo o Continente Americano, pela proximidade de fusos horários.

  6. kauã e gio Says:

    Eu e meu amigo nos adoramos a olienpieda porque ele foi nas manhãs olimpicas e me contou que é muito legal no parque do pacainbu. O parque do pacainbu ele é conhecido pelas suas oliempiedas .


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: