Home

TCU Não Vê Planejamento Para O Rio 2.016, Na Folha De São Paulo De Hoje Em Excelente Matéria De Dimmi Amora E Filipe Coutinho

setembro 26, 2013

26/09/2013 – 03h44

TCU vê falta de planejamento da Rio-2016

DIMMI AMORA
FILIPE COUTINHO
DE BRASÍLIA

A três anos da Rio-16, a falta de planejamento para o evento põe em risco suas obras e inviabiliza estimativas sobre o custo de projetos e identificação de seus responsáveis. A conclusão vem após fiscalização do Tribunal de Contas da União, que cobra providências do governo.

Com orçamento de mais de R$ 15 bilhões, as obras são responsabilidade de consórcio formado por governo federal, Estado e prefeitura, congregados na APO (Autoridade Pública Olímpica). O modelo de organização é inédito no país.

Leia mais notícias da Rio-2016
Para o TCU, a APO tem sofrido um “esvaziamento do papel de coordenação”. O órgão de controle alerta sobre o pouco dinheiro colocado nas obras até o momento.

“Apenas 5% do total previsto pelos Orçamentos Gerais da União para a organização dos Jogos, no período de 2010 a maio de 2013, foram pagos efetivamente”, diz o TCU.

De acordo com o tribunal, isso “evidencia que a execução orçamentária não foi aderente ao planejamento prévio para a organização dos Jogos de 2016, tornando-se um risco potencial à adequada realização deste evento.”

Um dos exemplos de “baixa execução orçamentária” está no projeto básico de quase R$ 40 milhões para Deodoro, centro esportivo que será palco de competições de tiro esportivo, hipismo e rúgbi.

O relator da fiscalização, ministro Aroldo Cedraz, ainda ressaltou sua “preocupação” com o fato de que não há, até o momento, informações sobre os investimentos em turismo e hotelaria.

Outro ponto criticado diz respeito à chamada matriz de responsabilidade, documento que reúne obras, custos, prazos e responsáveis.

Sem ela, até a fiscalização fica ineficiente. “A ausência da matriz de responsabilidade impossibilitou que a equipe de auditoria precisasse todos os projetos essenciais a serem implementados para o evento esportivo.”

Editoria de Arte/Folhapress

PROVIDÊNCIAS

A decisão do TCU não traz punições, mas determina ao Ministério do Esporte e à APO que se articulem para publicar a matriz de responsabilidade. O tribunal chama a atenção ainda para o legado da Rio-2016, deixado até agora em segundo plano.

“No que se refere à ausência ou indefinição quanto à utilização do legado olímpico, entendo ser necessário que o Ministério do Esporte dê início, imediatamente, aos trabalhos do Grupo de Trabalho Legado”, diz o relator.

OUTRO LADO: ENTIDADES DIZEM QUE NÃO TIVERAM ACESSO A RELATÓRIO

O comitê organizador da Rio-16 afirmou ontem, por meio de uma nota, que “a contribuição do TCU é muito importante para que os Jogos sejam realizados no prazo e dentro do orçamento.”

Mas, como não tivera acesso ao documento do tribunal até a conclusão desta reportagem, não poderia comentá-lo.

“A transformação do Rio de Janeiro faz parte de uma jornada de médio prazo e o papel dos Jogos é ser o agente catalisador deste processo”, acrescentou o comitê organizador.

As assessorias do Ministério do Esporte e da Autoridade Pública Olímpica também disseram que esperariam a notificação do Tribunal de Contas da União para se manifestarem sobre o assunto.

O TCU determinou que os dois órgãos se articulem para publicar a matriz de responsabilidade, que determina as responsabilidades dos envolvidos na organização do evento olímpico.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: