Home

Lars Grael Pede Gestão Democrática, Plural e Transparente No Esporte Brasileiro, No Blog Do José Cruz.

setembro 27, 2012

Lars Grael pede “gestão esportiva mais democrática, plural e transparente”

 

José Cruz

Sobre a decisão do governo de adiar para depois dos Jogos Rio 2016 a implantação de critérios que democratizem a gestão do esporte, recebi a seguinte mensagem do velejador Lars Grael, que integra o grupo Atletas pela Cidadania.

Recuar, jamais!

Esta é posição do movimento Atletas pela Cidadania diante a um eventual recuo do Ministério do Esporte na posição de condicionar investimentos públicos para as confederações com um dispositivo que limite os mandatos dos coronéis do esporte.

Seria a hora de fincarmos a bandeira por um modelo de gestão esportiva mais democrática, plural e transparente.

As entidades de administração do desporto são entidades de direito privado, sim, mas representam um bem público nacional que é o esporte, no caso Olímpico e Paralímpico. Vivem e se abastecem de investimentos majoritariamente públicos. Nada mais natural e democrático que nossos dirigentes tenham noção de transitoriedade. Seria uma grande contribuição do Ministro Aldo Rebelo para o futuro do esporte brasileiro.

Usar a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016 como reféns, do “não se pode acabar agora com um trabalho encaminhado para estes eventos globais”, não serve!

 Os bons presidentes de confederações poderão terminar seus mandatos, e se forem bons, serão capazes de eleger um sucessor. Outros que se perpetuam por décadas perceberão a necessidade de separar o público do privado. Separar o pessoal do institucional. O esporte é de todos. É este novo modelo de governança que a sociedade anseia.

Devemos seguir o exemplo a partir da cúpula do esporte, o Comitê Olímpico Internacional, que por iniciativa de seu presidente, o velejador Jacques Rogge, alterou o estatuto do COI permitindo apenas uma reeleição, já a partir de seu próprio mandato.

No Brasil, algumas entidades esportivas adotaram espontaneamente este conceito, como o Comitê Paralímpico Brasileiro.

 Não queremos cartolas, queremos gestores e que sejam profissionalizados.

 Queremos que atletas, treinadores e árbitros tenham direito ao voto.

O lobby das confederações poderá atropelar este movimento pela democracia no esporte.Podemos até perder esta batalha, mas ganharemos a guerra, por que a causa é certa. Defender a tirania da cartolagem, é indefensável.

Esperar por 2017, seria incorrer num equívoco histórico.

Lars Schmidt Grael

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: