Home

Um Tribunal Eminentemente Político, O TCU – Texto De José Cruz.

dezembro 1, 2010

Texto de José Cruz – Blog do Cruz

Pan 2007: mais um processo vai para a gaveta. Está tudo legal…

 

           O Tribunal de Contas da União acolheu as justificativas do Ministério do Esporte e seu gestor principal para o Pan, Ricardo Leyser Gonçalves, e considerou que os gastos a mais no evento foram feitos por necessários. Não houve corrupção e ponto final.

           “ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União, diante das razões expostas pelo Relator, em:

            9.1. acolher as razões de justificativa de Ricardo Leyser Gonçalves e Luiz Custódio Orro de Freitas;

            9.2. rejeitar, em parte, as razões de justificativa da empresa Fast Engenharia e Montagem S.A.;

            9.3. determinar ao Ministério do Esporte a apropriação definitiva de R$ 11.776.197,00, retidos por determinação

do Acórdão 1553/2007 – Plenário, ante a confirmação da ocorrência de dano ao Erário na execução do Contrato ME 1/2007.”

            Claro que o dano aos cofres públicos foi menor porque, preliminarmente, diante das evidências de corrupção, o TCU já havia determinado suspensão dos pagamentos à Fast Engenharia.

Barbaridades

            Leiam um dos relatos dos auditores, que instruiu o processo entre o Ministério do Esporte e a Fast Engenharia, para os serviços de overlays (temporários).

           “Estes grupos compreendem, portanto, o fornecimento e a montagem de aparelhos de ar-condicionado, assentos plásticos, banheiros químicos, cercas metálicas, contêineres, divisórias estruturadas, mobiliário, tablados e pisos, tendas em vinilona, programação visual, cabos elétricos, geradores de energia, luminárias, assim como a disponibilização de profissionais especializados e as despesas de planejamento e operação dos serviços contratados.

A equipe de fiscalização do TCU desdobrou-se a fim de garantir a apuração das quantidades dos itens contratados e conveniados efetivamente executados nas instalações esportivas e não esportivas previamente selecionadas.

Isto porque o Ministério do Esporte, até o início dos XV Jogos Pan-americanos, ainda não havia atendido plenamente às solicitações formuladas em campo pelos técnicos deste Tribunal, conforme reiteração, relativamente à apresentação dos projetos específicos, das planilhas de atualização de quantidades e dos cronogramas de montagem e desmontagem das diversas instalações temporárias.

Ao término das visitas realizadas in loco, a equipe de fiscalização do TCU observou diversas impropriedades e irregularidades na fase de execução dos overlays, as quais, se associadas à fragilidade dos procedimentos fiscalizatórios inerentes aos órgãos concedente e contratante, e mais, ao fato de que as instalações construídas já foram, ou em breve serão inteiramente desmontadas, apresentam risco potencial de grave dano ao erário, conforme restará adiante demonstrado. (grifos meus) 

Por outro lado, indagada a respeito das quantidades contratuais até então executadas, a fiscalização do Ministério do Esporte apresentou a planilha de acompanhamento dos serviços em andamento, a qual se referia, tão-somente, ao primeiro grupo de itens contratados (Itens de Infra-Estrutura/Móveis/Eletro-Eletrônicos – fls. 29/31), equivalente a 59,00% do contrato, revelando inequívoco descontrole e patente omissão quanto aos demais grupos de itens: elementos de sinalização e ambientação, instalações elétricas, mão-de-obra de manutenção e logística, correspondentes a 41,00%, ou seja, R$ 22.709.204,68.

Em relação aos itens contratuais de ‘Aquisição de aparelhos de ar-condicionado, a equipe verificou, somente no Complexo Esportivo de Deodoro, a inexistência de 180 unidades, resultante da diferença entre as 344 unidades contratadas e as 164 unidades fornecidas e instaladas.

Já na Vila Pan-americana, a equipe verificou a inexistência de 244 unidades, decorrente da diferença entre as 1.033 unidades contratadas e as 789 unidades fornecidas, das quais, inexplicavelmente, 389 unidades não se encontravam instaladas, mas, isso sim, armazenadas no subsolo dos Blocos 11 e 12, acondicionadas e embaladas da forma como deixaram a fábrica. Estes itens, então, se medidos em sua totalidade nas duas instalações Pan-americanas mencionadas, representariam dano ao erário de R$ 884.721,70.

Quanto ao Item 003 – ‘Assentos plásticos, inclusive estrutura de arquibancada e fechamento em lycra’ destinados ao Complexo Esportivo de Deodoro e à Praia de Copacabana, consideradas para este último local as competições de Vôlei de Paria e Triatlo, foram contratadas 19.347 unidades, muito embora 7.013  unidades não vieram a ser fornecidas e montadas, conforme constatado in loco pela equipe de fiscalização do TCU. Logo, este item, se medido integralmente, implicaria prejuízo aos cofres públicos na importância de R$ 4.089.210,17.”

Voto do ex-relator, Marcos Vilaça 

Antes de se aposentar, no final do ano passado, o então relator deste processo deixou a seguinte mensagem, que confirma as irregularidades agora consideradas legais.

“Os fatos apurados pela equipe do TCU podem ser sintetizados nos seguintes tópicos:

a) fornecimento de bens e serviços em quantidades diferentes das estabelecidas contratualmente, com possibilidade de dano ao erário;

b) alteração, por parte da Administração, do objeto do contrato, sem que tenha sido realizado o correspondente aditivo ou adequados os preços, fato que torna os pagamentos já realizados e a realizar desconformes com a efetiva quantidade de bens e serviços fornecidos;

c) ausência de crítica, pelos responsáveis, de inconsistências nos preços apresentados pela contratada, existindo vários itens cotados em valores superiores a outros, de mesma natureza e maior sofisticação;

d) deficiências na fiscalização da Administração, que dificultaram o controle dos bens e serviços efetivamente fornecidos.

4. A maior parte dessas constatações possui expressão econômica e pode resultar, ao fim do processo, na existência de dano ao erário. Somente os itens que, aparentemente, deixaram de ser fornecidos no âmbito do Contrato ME nº 001/2007, perfazem o total de R$ 7.136.541,05, montante superior ao saldo que falta pagar à contratada, que é de R$ 5.549.964,11, o que justifica a suspensão total dos pagamentos restantes. Também no convênio firmado com o Estado do Rio de Janeiro foram verificadas diferenças entre as quantidades contratadas e as executadas, conforme relação às fls. 85/6, mas que ainda não foram traduzidas em valores pela equipe de auditoria”.

Conclusão

            Pois diante de tudo isso e muito mais, as autoridades governamentais salvaram-se de qualquer multa ou puxão de orelhas.

           Mas, não há mais dúvidas: o PC do B, ao qual pertence o ministro Orlando Silva, protagonizou o maior escândalo político-econômico de corrupção na história do esporte nacional e contou com a benevolência do TCU para escapar de multas e punições também históricas.

Anúncios

One Response to “Um Tribunal Eminentemente Político, O TCU – Texto De José Cruz.”

  1. João Camargo Mello Filho Says:

    Caro Alberto,
    acompanho sua saga contra os desmandos na vela brasileira, e não pude me calar frente às últimas publicações em seu blog. Encaminho texto de mensagem enviado aos meus contatos eletrônicos. Divulgue se achar interessante.

    Abraço.

    João Camargo Mello filho.

    Caros velejadores e demais desportistas, vejam como o esporte que mais contribuiu com conquistas internacionais para o País, é comandado. Ou desamandado? Não são poucas nossas conquistas, como podem observar:

    16 Medalhas em Jogos Olímpicos sendo 6 de Ouro, 3 de Prata e 7 de Bronze
    62 Medalhas em Jogos Pan-Americanos sendo 27 de Ouro, 21 de Prata e 14 de Bronze
    Campeões Mundiais 67 vezes, 10 Vice Campeonatos e 6 vezes em Terceiro Lugar
    Campeões Sulamericanos 28 vezes

    Nem mesmo a maioria dos velejadores sabe dessas conquistas.

    Para nós da ENAMAR que há cinco anos trabalhamos com crianças e jovens, e observamos de forma inerente o seu potencial, é extremamente frustrante e revoltante, ter que, por anos sucessivos, continuar assistindo ao descalabro que é o esporte amador no Brasil. Analiso com isenção esse quadro, há 34 anos. Já fui dirigente esportivo e conheço os meandros da modalidade. Continuo mantendo a tese de que boa parte dos problemas da nossa vela, especificamente, é perpetrado pelo egoismo e arrogância de dirigentes, e também de atletas. Qual a contribuição que nossos velejadores, especialmente os “medalhistas”, TORBEN, SCHEIDT, LARS, tem efetivamente oferecido para mudar esse quadro? A vela esportiva no Brasil continua sendo feita nos Iates Clubes, e para os Iates Clubes. Por que com tantas conquistas na vela esportiva (somente a Inglaterra tem mais conquistas que o Brasil), continuamos praticando um esporte de tão difícil assimilação e administração?
    Tendo o mercado naútico brasileiro crescido a uma taxa média de 8% a.a; o grande interesse que os jovens tem por modalidades náuticas; mais de 8500 km de costa maritima, mais águas interiores; é mais que notório o contra-senso. Por quanto tempo mais, “velejadores de varanda” continuarão a desmandar na vela brasileira? por quanto tempo mais, os medalhistas continuarão olhando para o próprio umbigo? por quanto tempo mais, aqueles que fora dos feudos dos Iates Clubes, deixarão de poder mostrar seu potencial e talento? quantos COBs e CBVMs se sucederão na elite da vela brasileira? O talento brasileiro é imensurável. Infelizmente, a mediocridade de nossos dirigentes também. Mas há que ter fim.

    João Camargo Mello Filho
    Diretor Executivo ENAMAR – Escola de Náutica e Marinharia de Guaratuba – PR
    Coordenador Projeto Guará Náutico

    Curtir


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: