Aqui Em Roma, Comitê Olímpico Brasileiro Deveria Processar Muitos Atletas

Eu relatei em post anterior que o Comitê Olímpico Brasileiro notificou extrajudicialmente a loja da família do grande nadador brasileiro, Rogério Aoki Romero, por entender que o logotipo utilizado ofenderia direito marcário pela similaridade com os anéis olímpicos. A marca da loja dos Romero não tinha absolutamente nada a ver com os símbolos olímpicos. Se fossem a uma batalha judicial, o arrogante Comitê perderia. A questão da notificação feita pelo Comitê deu-se por pura retaliação, vendetta, na medida que Julian Aoki Romero tem um website, Swim It Up, que é contra o Rio 2.016.

Aqui em Roma, no campeonato mundial de desportos aquáticos, há vários Atletas que têm tatuado no corpo os aros olímpicos. Tão cioso que o COB é de seus direitos de propriedade intelectual, que ele deveria também processar esses Atletas por utilização indevida da marca olímpica. E pedir para os Atletas arrancarem seus braços, pescoços, pernas e punhos. Afinal de contas, o que significam os Atletas para o COB, principalmente aqueles que são contra os seus projetos mirabolantes?

Categorias olimpismo

2 comentários em “Aqui Em Roma, Comitê Olímpico Brasileiro Deveria Processar Muitos Atletas

  1. Caríssimo, pelos posts que li, andei um pouco afastado do assunto é verdade, parece que o czar anda muito preocupado em manter o fluxo de caixa do comitê, ou ao menos continuar sua vendetta contra aqueles que se insurgem contra seus planos megalomaníacos.
    O que assusta é que tem gente que apóia ele, o que se passa pela cabeças dessas pessoas? Será que elas não percebem que estão vivendo dentro de uma mentira que tem dia e hora para acabar? Porque os atletas e dirigentes sérios não se revoltam?
    E o papel da imprensa, que até agora tem se comportado de forma ridícula? Como a Globo, que tomou uma puxada de tapete de Orlandinho e do Bispo da Record, perdendo os jogos olímpicos e panamericanos, tanto é que sua equipe de esportes está minguando, ficando apenas com o futebol e a F1, perderam até o movel e utensílio da emissora, Milena Ceribelli, que estava lá a quase duas décadas.
    É assustador como essa nossa republiqueta de quinto mundo se comporta como se vivêssemos debaixo de uma ditadura, e que precisamos de heróis de ocasião para honrar o pavilhão nacional.
    O governo por seu lado não incentiva o estudo, incentiva sim os diplomas, agora todo mundo tem que se “doutor”, mas o ensino básico é pobre de conteúdo e material humano, este dos dois lados do balcão, alunos e professores estão cada vez mais mal formados, os primeiros pela dissolução das famílias e laços morais, e o segundo pela falta de incentivo para se melhorar como profissional, pelas péssimas condições de trabalho, insalubres e ás vezes até mortais, se localizadas em áreas ditas de risco, em que em vez de uma maçã o aluno põe uma arma sobre a mesa da professora.
    Enquanto o foco do governo não for em cima da educação de qualidade, deixando para o esporte a missão de ser atividade complementar, e a partir daí, com a avaliação dos potenciais atletas e seu encaminhamento para o esporte de alto rendimento, isso se o atleta quiser e não fazê-lo por encontrar uma porta larga para o sucesso, seja pela facilidade seja pela falta de oportunidades, aí estaremos, primeiro, melhores cidadãos, e depois, melhores atletas.
    Esse país é possível, desde os nossos governantes parem de tratar o povo como “coitadinho” e assuma sua responsabilidade na formação de um povo realment edigno do solo que pisa.
    Para terminar, em recente discurso, Barack Obama fez uam exortação que cabe muito bem no Brasil, apesar de muita gente achar que na verdade ele quis “tirar o corpo fora”, mas na verdade isso vale pra muita gente que acha que a vida é fácil.
    “Nós temos que falar para nossas crianças. ‘Sim, se você é um afro-americano, a chance de crescer no crime e em gangues é maior. Sim, se você vive em um bairro pobre, você vai ter mais dificuldades do que quem cresce no rico subúrbio”, disse. “Ninguém escreve o seu destino por você. Seu destino é escrito pelas suas mãos, não se esqueça disso.”

    Se trocarmos “afro-americano” por “pobre” o discurso se encaixa perfeitamente na nossa realidade.
    no dia que o povo aprender a escrever o destino com suas mãos em vez de esperar que o maná caia dos céus esse país será mais justo, e aqueels que exploram a esperança alheia serão banidos dos governos.

    É utopia, eu sei, mas eu prefiro acreditar nela, está aos poucos acontecendo, e vai funcionar.

    Curtir

  2. Lorena Fernandes Lima julho 18, 2009 — 11:01 am

    Gostei da sua reflexão!!
    Gostaria de aproveitar este espaço e manifestar como uma atleta amadora, que infelizmente a gestão esportiva no Brasil é imaginária e aleatória. Não tem acompanhamento inicial e final. Escolhem por marketing. Aproveitam a imagem de resultados.
    Para mim o maior exemplo claro, real de um bom planejamento é ver os resultado do nadador Cesar Cielo. Este atleta é o exemplo para muitos e principalmente para os gestores deste pais.
    Penso que se tivermos nas gestões pessoas que sabem o que é ser atleta, com certeza teríamos resultados mais rápidos e com qualidade.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close