As Carteirinhas Do Ministro Tapioca.

Ao querer cadastrar os torcedores com carteirinhas, parece que a intenção do Ministro não é acabar com a violência nas praças de esporte. Candidatíssimo a Deputado Federal por São Paulo, essa patetice mais parece uma intenção do nosso Orlando de querer listar seus desejados eleitores, para os quais vai mandar suas malas diretas de campanha. Atrás da balela das carteirinhas, parece estar um artifício de elaborar um cadastro de gente que gosta de esporte que, no entendimento do Ministro, seriam seus potenciais eleitores. O sonho de qualquer político é ter um cadastro completo de seus alvos.

Não se pode acreditar que alguém ache que, ao distribuir carteirinhas a frequentadores de estádio, vá acabar, ou ao menos diminuir, a batalha nos campos de esporte. É certo que o brasileiro, de um modo geral, adora uma carteirinha. Notem quantas pessoas carregam consigo um monte de carteirinhas desnecessárias junto com seus pertences. São carteiras de clientes preferenciais da loja tal, do vídeo clube, de associação de bairro, de amigos do Jardim Zoológico, as mais variadas.

Se o Ministro quer mesmo resolver a questão da violência nos estádios deve, inicialmente, ler e fazer cumprir o estatuto do torcedor. Deve ser rigoroso com isso. Já seria um bom caminho percorrido.

O torcedor no Brasil é mais violento do que o da Europa? A resposta é não. Ocorre que a Europa já tomou, há muito tempo, medidas efetivas contra os violentos cidadãos que frequentam estádios.  E, além do mais, sabe-se que na Europa não impera a impunidade. Quando o sujeito é pego, há a certeza de que responderá aos rigores de um processo legal. Aqui no Brasil, há quanto tempo gente é morta e, até hoje, os casos aguardam solução?

A identificação do torcedor pode ser feita no ato da aquisição dos ingressos, seja ela feita diretamente no guiche, ou pela internet, caso esse método venha a ser implantado. Criar mecanismos e incentivar a compra de ingressos pela internet, seria um ato extremamente positivo. Não sei porque não fazem isso.

Outro ponto fundamental é a numeração de todos os lugares vendidos. Inclusive, essa é uma exigência da FIFA, solenemente ignorada no Brasil. Estádio sem cadeira numerada não deveria estar apto a receber jogos acima, diria eu, de pelo menos 20 mil pessoas. Talvez até menos.

Câmeras de segurança deveriam ser estrategicamente  instaladas nos estádios. A polícia deve agir com rigor. Mas antes disso, deve estar preparada e bem treinada para essa atividade de vigiar estádios, do lado de dentro e de fora, tendo consciência da importância de sua função, com equilíbrio e respeito ao torcedor. É uma mostra de despreparo da polícia simplesmente “partir para o pau” quando provocada por algum torcida. Isso gera mais violência.

E um outro ponto muito importante é o combate efetivo aos cambistas.

Se o Ministro abandonar a idéia das carteirinhas e concentrar-se em coisas mais importante, mais eficazes, haverá melhoresa chances de combater e processar as pessoas violentas que frequentam estádios.

E se ele insistir mesmo nessa bobagem, resta-nos lamentar e ficar de olho nas licitações que ele vai fazer (ou dispensar).

Categorias olimpismo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close